terça-feira, 11 de maio de 2010

Primeira vez II

Ontem tive um lapso de consciência a respeito do agir em relação às emoções. Resolvi ser clara, porque ficar imaginando se isso ou aquilo irá acontecer e dando asas à criatividade inventiva, até anteontem só me desgastava, uma energia despendida com milhões de possibilidades que a mente se dispõe a arquitetar com incentivo do coração. Quem nunca se permitiu sofrer criando fantasias à sua vontade, sem se ater ao que pensava a outra parte envolvida na história?
Há tempos, não tão logíncuos vi nascer um encantamento provocado por olhares, sorrisas hermosas e um não sei quê, que de-repente me levava a pensar em alguém sem sossego. Na revolta de não querer adolescer nessas paixões que me abobalham, parti para o lugar distante, fingi que a distância afasta e deixei o sentimento doce se esvair no tempo, no silêncio...No entanto, o mundo gira e não se satisfaz com um "deixa pra lá" ou "depois eu penso nisso", lá estavam novamente los ojos llenos de brillo, encantando-me...desta vez, envolvi-me pelo encanto e ouvi o canto da manhã seguinte, do sol nascente, da água corrente, do vento uivante, da paixão latente...deixei-me seduzir e fui mais feliz, porque mesmo sendo feliz todos os dias, há os momentos de mais felicidade...Então veio a lua e me pos de volta a silenciar tais pensamentos. Tem momentos que hão de ser únicos para sempre...ou até que o giro do mundo nos surpreenda novamente. Por enquanto, vou andando, com mais esse momento "mais feliz" nos resgistros do coração.

(em fevereiro de 2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário